Produtividade Inteligente: Um novo jeito de ter realização e felicidade profissional.

 

Passamos mais tempo nas relações de trabalho do que em qualquer outra relação na vida.

Mas muitos de nós ainda acreditam que a vida pessoal e a profissional estão separadas em algum lugar. Cada vez mais os estudos comprovam que não existe essa separação. E nem poderia existir, já que somos um ser único, vivendo seus diversos papéis em diferentes ambientes e situações, mas com uma essência única. Inclusive essa conclusão tem trazido subsídios para o desenvolvimento de práticas e medidas dentro das empresas, buscando uma integração do profissional e de sua essência, aos interesses e necessidades do negócio.

Entretanto, as pesquisas nos informam que 70% dos brasileiros se sentem insatisfeitos na sua relação de trabalho. Seja por causa da remuneração, seja por falta do reconhecimento, seja por excesso de tarefas ou, e principalmente, pela perda do significado em relação ao trabalho que desempenham.

O que vou falar aqui é sobre produtividade, porém estou trazendo uma visão diferente da grande maioria que você já viu. Vou te apresentar como você pode desenvolver algo que vai te ajudar a ter realização e felicidade na sua vida e no seu trabalho. Acredite, ser produtivo não precisa ser pesado e exigir que você se robotize apenas repetindo técnicas, ou seguindo o passo a passo de um aplicativo que não respeita quem você é de verdade. E quero te adiantar que ficará surpreso em como é simples e real ao mesmo tempo, mesmo não sendo fácil.

Vou te mostrar uma ciência que traz estratégias que já são usadas no mundo todo e ainda pouco conhecidas no Brasil, que forma a base do conceito de Produtividade Inteligente que eu proponho pra você.

Sabemos que o mercado de trabalho está cada vez mais exigente e seletivo; somos cobrados a produzir sempre mais e ainda manter níveis de energia lá no alto, resultados e prazos melhores do que o previsto e ainda ter boa saúde e relacionamento familiar. Um bom profissional está sempre buscando melhorar em alguma coisa e super dedicado a se destacar na sua área de atuação, certo?

Errado! Profissionais bem-sucedidos conseguem gerir a sua carreira fazendo escolhas que sejam mais adequadas em relação aos seus objetivos e seu propósito. Conhece bem suas forças e aplica o que tem de melhor para se destacar dos demais, agregando valor ao seu trabalho. Para ele, sua alta performance acontece acompanhada de muita energia, motivação e sentimento de realização. Um bom profissional está engajado e realiza as tarefas de seu cotidiano com uma boa pitada de alegria, gerando resultados ainda maiores que o esperado.

O Instituto Gallup, centro de pesquisas norte americano que desenvolve pesquisas ao redor de todo o mundo, estudou por cerca de 10 anos, entrevistando mais de 1,4 milhões de pessoas, os motivos que tornam uma equipe ou empresa mais produtiva que a outra, nas mesmas circunstâncias físicas (inclusive localização geográfica), com mesmos recursos, mesmo formato de remuneração e treinamentos, vendendo mesmos produtos para mesmo nicho de clientes. Ficou claro que aqueles que geram os melhores resultados têm algumas coisas em comum, como: bons relacionamentos no trabalho, sentimento de estar se desenvolvendo e senso de missão e propósito.

Eles também encontraram uma questão muito clara e efetiva que predestinava uma alta performance ou baixa performance: Você tem a oportunidade de usar suas forças, todos os dias, no seu trabalho? Aqueles que responderam que sim, são consistentemente mais produtivos do que os que não têm chance de usar suas forças no trabalho.

O que chamamos de forças pessoais pode ser entendido basicamente como a união de seus talentos e as características positivas de sua personalidade, as forças de caráter, com seus interesses e recursos externos.Com base na Psicologia Positiva, podemos afirmar que conhecer e focar seu desenvolvimento no uso de suas forças é parte fundamental no caminho para realização pessoal e profissional.

Agora voltando ao termo produtividade, sabemos que nasceu no século 18 com um sentido de capacidade para produzir; mas somente em 1950, a Comunidade Econômica Europeia definiu, formalmente, o conceito de produtividade como sendo o “quociente obtido pela divisão do produzido por um dos fatores de produção”.

Produtividade então passa a ser associada à eficiência e tempo gasto pra produzir. Desde então, o grau de produtividade de um agente econômico (pessoa, empresa, país, etc.) passou a ser um indicador do seu nível de eficiência e eficácia, tornando-se uma medida relevante para aferir sua performance.

E no senso comum ficou bem assim mesmo: produtividade é fazer mais coisas em menos tempo, ou seja, quanto menor for o tempo levado para obter o resultado que você pretende, mais produtivo será. Entende-se que nível de produtividade é a expressão da eficiência de uma pessoa ou negócio; mas para ser usado como o principal indicador da performance de um indivíduo, como podemos identificá-lo na prática?

O que vamos ver a seguir é exatamente um panorama de como essa tão falada produtividade se apresenta na realidade da maioria de nós, e quais os efeitos de uma busca desenfreada por ela.

 

Produtividade na vida real

 

Bom, na prática, você já deve ter vivido diversas situações onde sentiu-se cobrado a ser mais produtivo, ou seja, aumentar seu nível de produtividade. Seja através de um gestor, do seu papel na equipe ou pelas bonificações no seu contracheque. Pode ser que sua atuação seja autônoma e você se compare com outros profissionais da sua área que estão no mercado. O que acontece é que como profissional você está sempre pensando em se destacar, ser reconhecido e valorizado, mas acaba frustrado com os resultados que está gerando quando encara o que realmente gostaria de estar fazendo.

Não sei pra você, mas por muitos anos na minha vida produtividade significava conseguir executar tarefas com ritmo acima do meu natural, e ainda usando técnicas que não combinam comigo. Acabava comprometendo ainda mais meu tempo, exigindo muito esforço e gerando estresse e ansiedade além do ponto.

Um profissional pode entender-se como produtivo ao trabalhar 16 horas por dia, de segunda a segunda. Mas este desequilíbrio poderá afetar a qualidade de sua produção e o seu relacionamento social e familiar. Sua saúde física e mental também pode sofrer um desgaste extremo, e o estresse encontrar lugar para se manifestar. Sendo assim, a produtividade nem sempre pode ser avaliada em um resultado isolado, para ser considerada como algo bom.

Segundo Marcus Buckingham, autor best seller internacional e consultor de negócios que estuda desempenho de equipes há quase três décadas, sua produtividade não pode ser medida por feedbacks, por modelos de desempenho, metas alcançadas nem classificações genéricas. É necessário ‘olhar’ para o indivíduo inteiro, ter conversas francas, frequentes e reais, observar dados em tempo real, saber o que exatamente ele está fazendo no dia a dia. É preciso ter dados de desempenho confiáveis ​​e imparciais sobre o que os profissionais verdadeiramente fazem. Sair da ‘bolha’ teórica e pensar no ‘ser produtivo’ na vida real, prática mesmo.

E então quando você olha para sua vida profissional não tem orgulho de onde está hoje. Sua rotina é cansativa demais e ainda não está satisfeito; sente-se inseguro muitas vezes e te falta confiança em si mesmo pra pensar em alguma mudança. No meio do turbilhão de pensamentos e emoções que te inundam ao falar sobre sua vida profissional, ter felicidade no trabalho parece mais uma cobrança que você tenta evitar, já que, no momento, pensar que o final de semana está chegando de novo já te alivia um pouco.

Você não está sozinho; se sentir cobrado a produzir mais e mais, corresponder ao chefe ou ao mercado de um jeito, mesmo que não faça sentido pra você, tem consequências importantes que precisamos repensar e estou aqui para te ajudar com isso. Ter um alto nível de produtividade é mais sério que muitos imaginam! E apesar de ter implicações em mais áreas da nossa vida que geralmente percebemos, também é mais simples do que a grande maioria pretende.

Não digo que é fácil, mas é muito simples sim. O método que eu trabalho está baseado no que você já tem de bom, suas forças, e é por isso que quando ‘viramos a chave’, tirando nosso foco das fraquezas que precisamos melhorar para as forças que podemos usar a nosso favor, tudo fica mais claro e acessível para qualquer um.

A curto prazo, perseguir uma maneira ou várias de aumentar sua produtividade, soa como sua única chance de ter o reconhecimento profissional ou a promoção de cargo que você tanto sonha, e geralmente ainda acompanhada de maior retorno financeiro.

Parece bom demais, mas lembra quando eu te disse lá em cima que existem consequências importantes que muitos de nós nem percebe? Pois é, e por isso é mais sério que muitos imaginam; a longo prazo o que você acaba encontrando é um estresse muito grande, seguido de frustração e falta de sentido. Quando repetimos técnicas ou o passo a passo de outro alguém para ser mais produtivo, na verdade estamos robotizando algo que só pode ser criado de forma individual e pessoal. E não só respeitando quem você é, mas incluindo sua essência naquilo que você faz.

Isso porque cada um de nós tem uma essência. A despeito do que você possa já ter pensado um dia ou não, você é um ser único e exclusivo, criado por um Deus inimaginável, com características únicas que não estão em você por acaso. Então, quando você quer produzir mais sem considerar essa essência, em algum momento vai entrar em conflito consigo mesmo, seja com seus valores, seus pensamentos, seu corpo ou suas preferências mesmo. Por isso, o que mais importa para que você tenha uma vida plena são as forças que tem; e você precisa conhecer e aprender a usá-las no seu dia a dia.

Você vai entender melhor isso no próximo tópico, onde vou mostrar como a Psicologia Positiva traz a produtividade para uma relação saudável com a gente, e comprova através de estudos e pesquisas o que funciona pra você construir um equilíbrio entre vida profissional e pessoal, que gera a felicidade que você quer experimentar, inclusive no seu trabalho.

 

A produtividade pela Psicologia Positiva

 

A Psicologia Positiva é o mais moderno estudo da Psicologia, iniciado no final da década de 90, por Martin Seligman Ph.D. - Professor na Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos. É a ciência que estuda os aspectos positivos da vida e do ser humano, capazes de despertar e manter com consistência a Plenitude e a Felicidade Autêntica.

Uma ciência que se interessa pelo que dá certo com as pessoas, se interessa por suas qualidades e sobre como promover o seu funcionamento positivo, ou seja, o que faz com que as pessoas se movimentem em direção a uma vida produtiva e feliz. Através de métodos cientificamente comprovados, a Psicologia Positiva propõe uma investigação sobre a identidade do indivíduo, considerando o uso de suas forças pessoais como pilar fundamental para funcionar de forma positiva.

Criado pelo Dr. Martin Seligman, "Pai da Psicologia Positiva" e autor de ‘Felicidade Autêntica’ e ‘Florescer’, e Dr. Christopher Peterson, cientista destaque da Universidade de Michigan e autor de ‘A Primer in Positive Psychology’, e validado por Robert McGrath, Ph.D., o VIA Survey é um questionário considerado uma ferramenta central da psicologia positiva e tem sido usado em centenas de estudos de pesquisa e já respondido por 5 milhões de pessoas em mais de 190 países, resultando em melhores locais de trabalho ... escolas ... equipes ... VIDA MELHOR em todo o mundo.

Esse questionário está disponível gratuitamente pra você através de um link que coloquei na Ferramenta Forças em Ação, que eu uso para ajudar meus clientes a descobrirem quais são as suas forças e identificarem elas em ação no seu trabalho.

arrow

Ferramenta para Identificar e Otimizar o Uso de Suas Forças

Coloque seus dados e receba agora a sua! É gratuito!


Usar suas forças pessoais influencia positivamente diversas áreas da sua vida. Décadas de pesquisas comprovam que pessoas que conhecem e aprendem a usar suas forças, experimentam benefícios na sua saúde, relacionamentos, desenvolvimento pessoal e vida profissional como um todo. Dentre tantos, quero citar aqui que:

  • São mais confiantes: os estudos descobriram que o conhecimento e o uso das forças são significativamente associados à auto eficácia, autoestima, auto aceitação e autoconfiança.
  • Mais criativas e ágeis no trabalho: os estudos descobriram que os sentimentos de autenticidade, vitalidade e concentração criados pelo desenvolvimento dos pontos fortes, ajudam as pessoas a se adaptarem melhor às mudanças, se engajarem em comportamentos mais criativos e proativos, prestar mais atenção aos detalhes e trabalhar mais.
  • Sentem-se mais satisfeitos e experimentam mais significado em seu trabalho: estudos descobriram que as pessoas que usam quatro ou mais das suas principais forças de caráter no trabalho, geralmente fazem suas tarefas com dedicação e vontade, ficam mais contentes com isso e veem significado em sua vida profissional.

Uma força pessoal é uma força porque o seu cérebro está geneticamente determinado para realizar esses comportamentos bem. Ao longo do tempo você praticou esses pensamentos, sentimentos e ações com tanta frequência que eles se tornaram caminhos neurais bem desenvolvidos em seu cérebro, tornando seu uso agradável, envolvente e energizante. É por isso que seus pontos fortes são coisas que você se sente motivado para fazer, fica absorvido enquanto faz, e se sente revigorado e satisfeito depois que você fez.

Você pode colocar isso à prova agora mesmo. Pegue caneta e papel e, com sua mão dominante, anote o seu primeiro e último nome. Se você é destro, use sua mão direita. Se não, use a mão esquerda. Em seguida, troque a caneta para a outra mão - sua mão não dominante - e escreva seu primeiro e último nome novamente. Olhando para o papel agora, acha que alguém poderia adivinhar qual deles foi escrito com sua mão dominante?

Para a maioria de nós é geralmente muito claro quando nossas forças estão ou não, sendo usadas. Você deve ter notado que quando escreveu seu nome com a mão dominante, não precisou de muita concentração ou fazer tanto esforço, e você provavelmente está muito mais feliz com esse resultado, e com razão. Compare com como se sentiu em relação ao nome que você escreveu com sua mão não-dominante, quando precisou se esforçar e se concentrar muito mais, e mesmo assim o resultado não deve ter ficado tão bom.

Na visão da Psicologia Positiva, quanto mais você conhecer e desenvolver aquilo que você tem de melhor, mais bem-estar vai experimentar na sua vida e maiores as chances de sentir-se verdadeiramente realizado tanto pessoal quanto profissionalmente.

Bom, e agora que já entendeu o conceito de produtividade e como ela é na prática, já conseguiu ver os efeitos que podemos sentir na vida real quando buscamos essa produtividade a qualquer custo, e o que acontece a curto e longo prazo depois disso, quero te apresentar a Produtividade Inteligente e te contar um pouco sobre como você pode desenvolvê-la.

 

Produtividade Inteligente na prática

 

A essa altura você pode estar pensando que parece algo muito difícil de alcançar ou que está sonhando só de pensar que é possível, e por isso quero tranquilizar você. Tudo que estou falando aqui tem embasamento científico, já foi comprovado e aplicado por milhares de pessoas e minha intenção é que você possa experimentar essa realidade na sua vida também.

Eu não estou ‘descobrindo o Brasil’, mas apoiada em minha formação em Psicologia, minha certificação internacional em Life Coaching e Analista Comportamental DISC, além de muitos anos de estudo profundo sobre comportamento e desenvolvimento humano, decidi usar o que há de mais moderno em pesquisas realizadas no mundo inteiro na Psicologia Positiva, para ajudar meus clientes a ter realização profissional e pessoal aliadas, desenvolvendo a Produtividade Inteligente.

Martin Seligman realizou uma extensa pesquisa sobre as forças e virtudes do caráter, junto com o professor Christofer Peterson, da Univ. de Michigan, nos EUA, empenhados em identificar e catalogar ‘o que vai bem com as pessoas’, ou suas ‘forças psicológicas’.

Assim criaram um manual de classificações das forças de caráter e das virtudes (CSV: Character, Strengths and Virtues), dedicado ao bem-estar psicológico, o correspondente positivo do “DSM” (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders), existente para as desordens psicológicas.

Baseado nesse manual (CSV), ficou claro que as forças e virtudes tem um caráter universal, e foram catalogadas em grupos de 6 virtudes comuns a todas as culturas, regiões e filosofias do mundo: Sabedoria, Coragem, Amor, Justiça, Moderação e Transcendência. E a partir daí quais as características que um ser humano deveria ter para conquistar tais virtudes? Os pesquisadores chegaram, assim, a 24 características, as quais chamaram de forças do caráter.

Cada um de nós tem uma composição própria de virtudes e forças do caráter, sendo que de 3 a 7 delas, que mais usamos naturalmente, são consideradas nossas ‘forças de assinatura’.

Como o primeiro passo é você conhecer suas forças pessoais e identificá-las no seu dia a dia, preparei um exercício completo para te ajudar com isso. Depois que já tiver identificado suas top 5 forças de caráter e conseguir visualizá-las em ação, seja em momentos que usa muito ou quando está subestimando seu ‘poder’, poderá então projetar e planejar o uso adequado delas no trabalho, buscando tirar mais proveito disso.

Será necessário também você criar novos hábitos incluindo cada uma de suas forças e aprender a usá-las, já que até então não estava consciente delas. Para isso existem técnicas que vão se moldar a você, e são diferentes para cada força que identificou, afinal, é importante aproveitar o que tem de positivo em você para que tudo se torne mais leve e verdadeiramente produtivo, certo?

Também chegará o momento de se dedicar a desenvolver suas forças, torná-las seus pontos fortes mesmo, alinhando as forças de caráter aos seus talentos, para mapear sua zona de alta performance. Com isso você poderá vê-las funcionando em sua rotina e sendo reconhecidas pelos que estão à sua volta. Afinal, descobrir seus talentos e forças de caráter não é suficiente; apenas indica onde você já tem naturalmente potencial para construir verdadeiros pontos fortes. A partir daí você precisa desenvolver a capacidade de construir sua vida em torno deles.

Infelizmente a maioria das pessoas tem pouca ou nenhuma noção de suas forças pessoais. Guiados por pais, professores e ‘chefes’, fomos ensinados a focar nossos esforços em melhorar nossas fraquezas. Passamos a vida buscando maneiras de remediar aquilo que não está bom, de mudar aquela característica que me atrapalha nos relacionamentos ou no trabalho, mas não fomos alertados de que existe em nós o outro lado. Existe em nós o que fomos preparados para ser...e fazer algo com isso é nosso desafio mais prazeroso e recompensador nessa vida!

Não é surpreendente então que nossos esforços estejam resultando em migalhas de sucesso, insatisfação inexplicada, resultados frustrantes, quando não em fracassos inesquecíveis! Nossa essência, aquilo que torna cada um de nós um ser único, está ‘escrita’ em nós com tinta inapagável, e lutar contra isso é uma tarefa obscura.

E aí mora minha grande missão: ajudar você a parar de perder tempo insistindo naquilo que você não é tão bom, e começar a desfrutar a vida com tudo que já tem ‘aí dentro’! Inclusive alcançar o sucesso e o reconhecimento profissional que você merece.

Desenvolver uma produtividade que respeita quem você é também inspira você a se conectar, se sentir parte importante de um todo, realizar mais e sentir orgulho disso, enquanto você entende seu trabalho como uma expressão do seu melhor. Sua realização e felicidade profissional são consequências naturais nesse contexto.

 

 

Liluani de Paula